A fé que move o turismo

A fé que move o turismo

A maior estátua católica do mundo está no Rio Grande do Norte.

A vocação de Santa Cruz para o turismo religioso vem desde a sua fundação. Uma história marcada por lendas de fé e pela devoção à Santa Rita de Cássia. Hoje, um dos grandes pólos do turismo regional potiguar, o município de nome santo é conhecido como Cidade Santuário e um dos principais roteiros do turismo religioso do Nordeste. Não à toa homenageou a padroeira que tem abençoado a cidade com uma estátua monumental considerada a maior imagem católica do planeta.

Santa Cruz está localizada na região do Agreste potiguar, distante 122 quilômetros de Natal. Inicialmente habitada por índios tapuias, iniciou povoamento em 1831 baseada na atividade agropastoril. Hoje, graças à tradição religiosa e a fé em Santa Rita de Cássia, o turismo tem movido a economia da cidade, que desde a construção da estátua, em 2010, tem se estruturado cada vez mais para receber multidões de fiéis e romeiros durante todo o ano.

A crença religiosa do santa-cruzense vem desde o século 19. Conta a lenda que um missionário, sabendo da tradição da árvore inharé, considerada sagrada pelo povoado, mandou erguer uma cruz com galhos dessa árvore, cravada em um buraco onde foram colocadas também todas as armas da população. Com isso, os males da região teriam cessado. E assim o povoado ganhou o nome de Santa Cruz do Inharé, depois resumido a Santa Cruz.

Anos depois a capela de Santa Rita de Cássia viria a ser construída a partir da imagem adquirida pela filha de um dos fundadores da cidade. Hoje a capela é santuário e a padroeira de Santa Cruz já recebeu mais de um milhão de fiéis vindos de todo o mundo, sobretudo durante as quatro romarias inseridas no calendário do município. No mês de maio, quando na data de 22 acontece a celebração à santa no mundo, Santa Cruz recebe mais de 60 mil turistas.

A secular capela existe até hoje, mas no entorno foi construído o Complexo Religioso Alto de Santa Rita de Cássia, no topo do Monte Carmelo, já conhecido em todo o Brasil e composto também por uma sala dos milagres, pela praça do romeiro, auditório, lojas de artesanato, mirante, restaurante, lanchonete, banheiros e amplo estacionamento, além de uma estátua vista a quilômetros de distância, fruto da expressão de amor e fé à “Santa das Causas Impossíveis”, também considerada Madrinha dos sertões.

A estátua de Santa Rita de Cássia é seguramente a maior imagem católica do mundo. São 56 m, quase 50% acima do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, que mede 38 m. A construção da estátua de Santa Rita teve início em 2007 e durou três anos até a inauguração em 26 de junho de 2010. A estrutura projetada pelo arquiteto Alexandre Azêdo de Lacerda é suportada por uma parede de concreto com oito centímetros de espessura em toda a sua extensão.

Santa Rita de Cássia é a quinta santa católica a possuir mais devotos em todo o mundo. Sua história é marcada por renúncias em nome da fé, milagres e perseverança a Deus. Foi beatificada no ano 1627 e canonizada em 1900.

Além do Santuário de Santa Rita de Cássia, há também outros centros de peregrinação religiosa no Rio Grande do Norte que atraem milhares de fiéis todos os anos: o Santuário de Nossa Senhora das Vitórias (Monte do Galo, no município de Carnaúba dos Dantas), o Santuário de Nossa Senhora das Graças ou da Menina Santa (no município de Florânia), e o Santuário de Nossa Senhora dos Impossíveis (na Serra do Lima, no município de Patu).

As opiniões expressas neste texto são do autor e não refletem, necessariamente, a posição da WTM Latin America.

Por Sergio Vilar, SETUR – Rio Grande do Norte

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.